quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O valor da palavra

Em uma época em que as pessoas falam (ou escrevem) o que bem entendem - ou não; quando todo mundo é especialista em tudo; este texto - que pertence a uma questão do ENEM de 2012 - cai como uma luva! 

"Ai, palavras, ai, palavras
que estranha potência a vossa!
Todo o sentido da vida
principia a vossa porta:
o mel do amor cristaliza
seu perfume em vossa rosa;
sois o sonho e sois a audácia,
calúnia, fúria, derrota...
A liberdade das almas,
ai! Com letras se elabora...
E dos venenos humanos
sois a mais fina retorta:
frágil, frágil, como o vidro
e mais que o aço poderosa!
Reis, impérios, povos, tempos,
pelo vosso impulso rodam..."
MEIRELES, C. Obra poética. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985 (fragmento).

Vamos pensar sobre o tema do próximo texto? Liberdade de expressão: qual é o limite?