quinta-feira, 31 de março de 2011

Ensino a distância

Olá pessoal, tudo bem?

Hoje li uma reportagem no jornal da minha cidade, a Gazeta do Povo, sobre o ensino a distância. Como alguns de vocês sabem, há alguns meses eu tenho me aventurado nessa área, confeccionando objetos de aprendizagem para graduações e capacitações a distância.

O texto na íntegra está disponível em http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=1111296. Nele consta o crescimento dessa modalidade de ensino - que foi bem grande nos últimos anos - bem como os requisitos apra que uma instituição que ofereça essa modalidade seja reconhecida pelo MEC.

O que me deixou mais atenta à matéria foi o fato de o MEC não conseguir realmente fiscalizar todas as instituições. E quem está estudando por meio do ensino a distância, como fica esse profissional perante o mercado de trabalho daqui a alguns anos? Será que terá o reconhecimento que os cursos tecnológicos estão tendo no momento, antes tão menosprezados?

O ensino a distância ainda sofre com barreiras e preconceitos, e ao ler essa matéria me perguntei: será mesmo que eram apenas preconceitos ou conceitos fundamentados em vivências? No currículo, o que pesa mais: uma graduação presencial ou a distância? Quem ganha essa competição no mercado de trabalho?

Acredito até que a maior dúvida seja: é o ensino a distância realmente capaz de formar profissionais com a mesma qualidade dos que se formam em graduações presenciais? Será que as graduações presenciais realmente estão cumprindo um papel de qualidade?

Hoje deixo essas reflexões e em breve falarei mais sobre os objetos de aprendizam, que ainda geram muitas dúvidas quanto ao seu conceito e usabildiade.

Até