quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Professores e professores

Recebi mais um texto no meu trabalho sobre a desvalorização do professor. Não vou publicá-lo aqui, pois é muito extenso, apenas meu comentário/resposta ao autor. Basicamente trata sobre o mesmo assunto do post anterior, valorização financeira do professor, também cita outros pontos, mas este é o principal. Vamos à minha resposta que também dá continuidade ao post anterior:

"Apesar de não ter sido direcionado a mim, recebi seu texto e o li com muita atenção. Tenho uma opinião um pouco diferente da sua, aliás, isto é muito saudável a todos.

Concordo em muitos pontos, mas devido ao grande número de 'reclamações' que tenho ouvido dos professores - sou editora do Jornal Virtual Profissão Mestre e Gestão Educacional , caso não conheça meu trabalho aqui na Humana Editorial - tenho os visto com olhos de decepção, talvez seja esta a palavra, não sei precisar.

Decepção por vocês - e eu mesma sou formada em Letras e já dei aulas, poucas, mas dei - se colocarem numa posição muitas vezes de inferioridade. Por quê? Professores sem dúvida são importantíssimos para qualquer país, não só para o Brasil, bem como os publicitários, vendedores, garis, médicos, editores, empresários (pequenos e grandes), carteiros... Veja que coloquei profissões tanto consideradas "nobres" quanto as que são praticamente desprezadas de sua importância na sociedade, como é o caso dos garis. Alguém já parou para pensar no salário que eles ganham? Em quanto tempo ficam em pé, andando, debaixo de sol e chuva, sendo ignorados pelas pessoas que passam ao redor? E se eles ficassem em greve, como ficariam nossas cidades? E eles com certeza também têm muito a ensinar - não tanto conteúdo específico como professores, mas têm com certeza seus valores e conhecimentos de vida.

Não estou comparando os professores com garis, mas estou querendo mostrar que toda profissão tem seu valor e importância na sociedade, e às vezes olhamos demais para nós mesmos. Valorização é extremamente importante certamente, a professores e a todas as profissões. No seu texto você coloca outros pontos também, e que desta forma concordo, como a valorização do trabalho/talento, respeito, motivação, perspectiva de carreira, etc. Isso sim é necessário buscar com mais afinco para que depois venha o valor financeiro. Primeiro, em todas as profissões, precisamos mostrar nosso talento e disposição em trabalhar, qualidade de trabalho para depois conseguirmos um aumento certo?

E o que vejo também é que muitos professores estão deixando muito a desejar em suas aulas. Escrevem e-mails com um Português paupérrimo, cheio de erros, com pouquíssimo conhecimento de coisas básicas da educação... por isso estou com esta opinião atualmente, me entende? Luto por valorização dos professores, mas não podemos apenas cobrar - quais serão meus argumentos que justifiquem um salário maior aos professores se tenho profissionais que não cumprem com sua função básica de ensinar corretamente, de terem respeito com os alunos - muitos deles não respeitam os professores, mas muitas vezes isso é apenas um espelho do que damos às pessoas -, de buscar aprender cada dia mais, afinal, esta profissão assim o necessita bem como médicos e profissionais da área de marketing e economia. Coloquei em meu blog pessoal um texto a respeito disso também esses dias... se o professor ganhar 3 mil reais por mês, salário que estou apenas imaginando, com o que gastaria além das contas normais de casa? Será que realmente pagaria um curso bom para se aperfeiçoar? Será que compraria mais livros e revistas da área educacional - ou que sejam livros apenas para entreter-se, mas livros? Precisa-se mesmo ganhar tudo isso para poder ler mais? Não há bibliotecas públicas, pessoas que emprestem livros de graça ou até livros bons vendidos a preço muito acessíveis?

Sabe, professor, você é uma exceção com seu bom texto, português, conhecimento de vários autores, boa explanação de argumentos. Pouquíssimos professores assim o fazem. Não me entenda mal, mas é que apenas gostaria que os professores pensassem também melhor. Todos passamos por problemas em nosso trabalho, professores têm de trabalhar em condições ruins em vários lugares, mas sem querer realmente fazer, não há como fazer. Querer é poder, desculpe, mas não sei o autor desta frase, contudo, se todos os professores realmente quisessem ser valorizados por seu trabalho, reconhecidos por seu talento, conseguiriam. Há professores e professores. Vários recebem o "piso salarial" sem merecer ao menos isto; muitos também deveriam receber mais por ser esforço pela educação - e estes geralmente além de trabalhar em escolas públicas, recebendo seu salário, fazem trabalhos voluntários, pedem ajuda para criar ongs, dão aulas em favelas em condições de risco e são muito felizes e têm muito orgulho em serem professores."

Ainda abro espaço no Jornal para que ele envie textos, mas acabo acima, onde nos é necessário.

Mais pontos a serem refletidos certo? Obrigada.
Abraço e vou indo comemorar meu aniversário :)

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Onde está o problema?

Estive ausente alguns dias por motivo de saúde, mas já estou melhor e gostaria de fazer um texto baseado em uma conversa que tive com uma colega.

Começamos com o comentário sobre uma professora que, não aceitando uma observação sobre um texto, mudou sua opinião de bom para péssimo de uma hora para a outra. Só por ter sido avisado quanto ao plágio a um texto... Claro, foi sem intenção, ela quis apenas "se guiar" e acabou copiando sem colocar as devidas citações.

Faço aqui um parênteses sobre o que é plágio, pois ela me deu a entender que não sabia exatamente o que era (devido a sua revolta). De acordo com o dicionário Aurélio, "1.Ato ou efeito de plagiar; plagiato.". Plagiar: "1.Assinar ou apresentar como seu (obra artística ou científica de outrem). 2.Imitar (trabalho alheio)".

Disso começou nossa conversa... o que leva uma professora a não saber o que é plágio, primeiramente? Como ela vai ensinar a seus alunos a fazerem pesquisas e trabalhos sem serem copiados de livros e da Internet?

Depois, que acho que é o ponto mais importante: por que vários professores reclamam tanto de desvalorização, no sentido de salário baixo mesmo, se muitos não sabem nem escrever corretamente?

Não são poucos os textos e e-mails que recebo diariamente, tanto aqui no blog quanto no meu trabalho, e posso afirmar que esses erros são inconcebíveis! Deslizes acontecem, sim, mas há uma grande diferença entre eles e falta de conhecimento entre o certo e o errado - principalmente na Língua que muitas vezes lecionam.

Ficamos com a pergunta: professores que mal sabem ler e escrever, merecem salários maiores, em torno de R$3 mil Reais? Podemos dizer que, se são professores, além da matéria que lecionam, pelo menos o Português deve ser correto - não rebuscado, mas sem erros, certo? Não atendendo a este requisito básico, podem ganhar um salário deste? Não seria já o suficiente pelo que "estão fazendo" com nossos estudantes?

Sim, se o professor fala e escreve errado, os alunos aprendem a falar e a escrever errado na própria escola, pelo profissional que é pago - independente se instituição pública ou privada - para fazer o movimento contrário, merece um salário inferior.

Aí vou ser questionada. Alguns vão me dizer: "O professor não pode se aprimorar por causa do pouco salário, ou paga as contas ou compra um livro." Certo, contas todos temos de pagar, evidente, mas quanto custa o mesmo professor que me envia um e-mail com estes vários erros abrir a página do jornal na internet e ler algumas reportagens ao invés de ficar reencaminhando e-mails com piadinhas? Quanto custa ir à biblioteca da própria escola pegar um livro? Não há bibliotecas públicas em muitas cidades brasileiras?

Ou então, se o professor ganhasse este valor imaginado por mim, de R$3 mil mensais, quanto disso ele investiria em cursos ou mesmo livros? Não reclamem do preço dos livros! Há muitos com preços muito em conta, de até 9,90 - e de literatura de qualidade!

Por hoje, peço que pensem a respeito destas linhas. Volto para complentar esta conversa...

Até!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Feliz dia do professor!

Gostaria de colocar um texto sobre uma conversa que tive com uma colega sobre a profissão professor, mas hoje estou "fora" e não tenho condições de escrever mais. COntudo, este seria o post para hoje mesmo, já programado, um poema que recebi em homenagem ao nosso dia. De autoria de Marcos Cesar Polifemi, "Pensando bem..."

"Quando penso em um professor...
penso em uma música bonita,
em um ritmo alegre,

penso em um livro excelente
com uma história cativante,

penso em um doce gostoso
e num salgado quentinho,

penso em uma criança brincando,
e em um sorriso aberto.

Penso em um filme emocionante
de um roteiro intrigante,

penso em uma carta antiga
com um segredo brilhante,

penso em um quadro colorido
de uma paisagem distante,

penso em um vento refrescante,
em um aroma inesquecível,
em um professor querido."

Um abraço!

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Nome social nas escolas

Saiu no Jonal Gazeta do Povo, ontem, dia 7/10, uma matéria sobre o direito adquirido por estudantes que prefiram ser chamados por seus nomes sociais. Em breve, outros estados também adotarão tal medida. Leia abaixo:

"O Conselho Estadual de Educação do Paraná aprovou na terça-feira (6) o parecer que permitirá aos alunos com orientação sexual diferente da que é apresentada nos documentos oficiais a
utilizarem o nome social (nome pelo qual querem ser chamados) no momento da matrícula. Apenas os estudantes maiores de 18 anos poderão optar pela nova denominação. A expectativa do Conselho Estadual de Educação é que o nome social possa ser utilizado nas matrículas para 2010.

Agora a medida seguirá os trâmites internos e deverá ser regulamentada pela Secretaria de Estado da Educação (Seed), responsável pela educação básica, e pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), responsável pelo nível superior. No caso da Seed, a medida se aplicará aos estudantes do EJA (Ensino de Jovens e Adultos).

O relator do parecer foi o conselheiro Arnaldo Vicente. Ele esclareceu que o nome social será utilizado apenas nos registros internos das escolas, como nos livros de chamada, e não poderá ser adotado no caso de diplomas e históricos escolares. Nessas situações o estudante terá que entrar com ação judicial para requerer a mudança do nome civil, para que depois possa haver a mudança nos demais documentos. “O Conselho não irá mudar o nome civil de ninguém, pois o nome social valerá para documentos internos. O objetivo é respeitar as opções dos estudantes”, explicou Vicente.

No dia 1º de outubro o Ministério Público do Paraná (MP-PR) já havia dado parecer favorável à utilização do “nome social” nas escolas. Isso porque o Conselho Estadual de Educação havia pedido um posicionamento sobre o caso, uma vez que tinha recebido uma reivindicação da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) sobre o caso.

Para o presidente nacional da ABGLT, Toni Reis, a aprovação do nome social é o primeiro passo para que os travestis e transexuais possam ser incluídos e respeitados nas escolas do Paraná.

Segundo Reis, o preconceito é um dos principais motivos que levam esse grupo a abandonar a escola. “Queremos que os travestis e transexuais possam ter a oportunidade de estudar e de crescerem. Pois para muitos não há outra opção, a não ser a prostituição”, afirmou Reis.

O nome social já entrou em vigor no Pará e em Goiás, de acordo com o presidente da ABGLT. No entanto, os conselhos estaduais de outros estados também já aprovaram a medida, mas ainda não houve a regulamentação. O objetivo da ABGLT é que até o final deste ano o nome social já esteja valendo em dez estados."

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Travessia - Plano de aula de literatura

Gostaria de publicar um texto interessante, que pode ajudar em aulas de literatura. É da Professora Maria L.Vicari de Siqueira. (Contato: vicari@fema.com.br)

"Abrem-se, uma a uma, as asas do velho livro que traz nas mãos. O menino tem quatro anos, ouve a voz da mãe e vê-se dentro da floresta. “Eu vou... Eu vou...” Surpreende-se quando encontra Branca de Neve, tão branca e linda.

Agora ele já tem dez anos e, ora flutua no tapete voador, ora nada ao lado da grande baleia que engoliu Gepeto. As páginas viram, e já não é um menino de dez anos. Ele e o tempo correm, e as páginas passam... passam... O coração bate mais forte, porque está apaixonado por Clarissa. Mais um capítulo, e o corpo se transforma. Existem pecados nos livros que os mais velhos dizem que ele não deve ler. Mas ele degusta cada palavra e deleita-se. Agora é o vento que vira mais uma página, e o jovem de vinte anos emociona-se com Bibiana, tem ciúme do Capitão Rodrigo, perde-se nos olhos de Capitu...Tantos amores!

O homem feito ainda tem medos, mas entra pelas veredas do Grande Sertão.Quer saber quem é Diadorim, quer saber do diabo no meio da gente e faz a travessia por sugestão de Guimarães Rosa.

Ele e o tempo correm... Vê-se com quarenta anos, mas quer voltar com Eça, Alencar, Azevedo.Voa para Saramago, porque as palavras o levam por caminhos sempre novos, diferentes.

Um breve cochilo e está com cinqüenta anos... Bebe cada palavra de Garcia Marques e seus Cem anos de Solidão. O homem se espanta e percorre caminhos que o conduzem de volta à infância colorida, ao colo da mãe. Reconhece Narizinho e chora e ri. Seca as lágrimas e viaja com Dom Quixote e Sancho Pança, mas já desistiu de combater moinhos de vento, invisíveis. Clarice dedica-lhe palavras e o faz acordar aos setenta. Agora ele é pleno e vê as sementes que deixou pelo caminho. Não sente vergonha de ser velho. Suavemente acomoda o neto no colo e o faz encontrar Branca de Neve, branca e linda... E o velho descobre outro mar com Hemingway, mas lá está Veríssimo, que provoca seu riso com as Mentiras que os Homens Contam. Aproximam-se João Cabral, Quintana, Drummond, Scliar. Bem-vindos todos!

Agora, aos oitenta anos, recosta-se no travesseiro e o livro descansa em seu peito. Ele também descansa. Foram-se os medos e está tranqüilo. E é assim, com O Tempo e o Vento passando pela janela, que ele se sente cada vez mais feliz porque, sem se libertar da criança que existe dentro dele, outra viagem está por começar. Num momento de lucidez plena, sabe por quem os sinos vão dobrar amanhã.

O livro escorrega lentamente. Lutar contra moinhos de vento? Seria luta vã...É chegado o momento de fazer a viagem definitiva... Para o País das Maravilhas, talvez. E embarca."

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Nasceu! DVD Educação Especial

Olá pessoal,

Muitos puderam acompanhar meu dia a dia na criação do roteiro do novo DVD Educação Especial. Foram alguns meses de pesquisa e dedicação. Agora, "meu filho" finalmente está pronto e estou muito orgulhosa dele - e você já pode adquiri-lo aqui no blog. Foram muitos os pedidos e informações sobre o conteúdo. O menu está da seguinte forma, como coloquei no post DVD Educação especial:

- Inclusão
- Distúrbios (Dislexia, Disgrafia, Disotrtografia, Discalculia)
- Transtornos: subdivididos em... Transtornos do desenvolvimento
Transtornos do comportamento
- Síndromes
SÍNDROME DE KLINEFELTER
SÍNDROME DE TURNER
SÍNDROME DO TRIPO X
SÍNDROME DO DUPLO Y
SÍNDROME DE EDWARDS
SÍNDROME DE PATAU
SÍNDROME DO X FRÁGIL
SÍNDROME DE WILLIAMS
SÍNDROME DA DISTROFIA MUSCULAR DUCHENNE
SÍNDROME DE DOWN
- Deficiência auditiva
- Deficiência Intelectual
- Deficiência Física
- Deficiência Visual

Foram vários posts falando da importância da educação inclusiva, da diferença entre doença mental e deficiência intelectual, deficiência física e visual, transtornos...

Então, com a garantia de quem escreveu, pesquisou, entrou em contato com especialistas, acompanhou as gravações e fez testes, eu indico este material que já tem mais de 400 unidades vendidas! Você pode assistir a um trecho antes, basta acessar o banner "Assista a um trecho". Para comprar, clique no banner/imagem aqui do blog e adquira o seu em até 3X no cartão de crédito ou débito bancário.

Meu muito obrigada pelo carinho a todos vocês que me acompanharam no desenvolvimento deste produto e tiveram muita compreensão pelos dias que fiquei sumida daqui por causa dele!

Quem quiser divulgar também, entre em contato comigo ok?

Até

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

ENEM cancelado

Fonte: G1, do www.globo.com

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse na manhã desta quinta-feira (1) ao Bom Dia Brasil, da TV Globo, que será feita uma investigação para saber em que momento da impressão da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) aconteceu o vazamento. Segundo ele, há fortes indícios de que "houve a subtração de um exemplar" da prova. O teste, que ocorreria no próximo fim de semana, foi cancelado na madrugada desta quinta-feira.

“Este exemplar da prova está comprometido. A equipe técnica constatou que o material correspondia a alguns itens da prova. Será feita uma investigação para identificar em que momento da impressão da prova um exemplar foi furtado. É a primeira vez que [isso] aconteceu em uma prova do Enem”, afirmou. “Nós vamos ter que fazer junto ao consórcio [que aplica o exame] uma investigação para chegar aos responsáveis e prendê-los. Isso não pode acontecer, em virtude da vigilância severa.”

Segundo o ministro, outra prova será realizada assim que se concluir a impressão das novas questões. Haddad disse que ficou “feliz” pelo fato de os estudantes não terem feito a prova. “Em primeiro lugar eu fico feliz não terem feito a prova, você imagina o que seria cancelar a prova depois de realizá-la. Seria um trauma muito grande [para os alunos]”, disse o ministro. “Quem está inscrito permanece inscrito, basta aguardar nova data. [O estudante] deve usar o tempo que ganhou com esse incidente para estudar.”

Inep

O presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep), Reynaldo Fernandes, disse ao G1, por telefone, que, a princípio, o órgão não cogita mudanças em sua diretoria por causa do vazamento. Fernandes, que estava em São Paulo, a caminho de Brasília para participar da entrevista que o ministro deve conceder no final desta manhã.

Cancelamento

O MEC cancelou a prova, informou a assessoria de comunicação social do MEC, que confirmou também que a decisão partiu do ministro Fernando Haddad, após conhecer denúncia feita pelo jornal “O Estado de São Paulo”, de que a prova teria vazado.

Haddad concederá entrevista nesta quinta, na sede do MEC, em Brasília, para explicar os procedimentos com relação ao Enem. O MEC tem uma segunda versão da prova, mas ainda não está confirmado se essa versão poderá ser utilizada.

Cerca de 4,1 milhões de candidatos realizariam o exame. A expectativa do MEC é realizar a próxima prova, que tem como responsável o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), em 45 dias.

O jornal “O Estado de São Paulo” denunciou que foi procurado por um homem que disse ter as duas provas que seriam aplicadas no sábado (3) e no domingo (4), e que queria vender o material por R$ 500 mil.