quarta-feira, 29 de abril de 2009

Plano de aula de literatura para ensino médio

Você provavelmente já ouviu a música abaixo. Dá uma olhada e preste bem atenção ao trecho destacado:

Amor I Love You
Marisa Monte
Composição: Carlinhos Brown e Marisa Monte

Deixa eu dizer que te amo
Deixa eu pensar em você
Isso me acalma, me acolhe a alma
Isso me ajuda a viver

Hoje contei pras paredes
Coisas do meu coração
Passeei no tempo, caminhei nas horas
Mais do que passo a paixão

É um espelho sem razão
Quer amor, fique aqui

Deixa eu dizer que te amo
Deixa eu gostar de você
Isso me acalma, me acolhe a alma
Isso me ajuda a viver

Hoje contei pras paredes
Coisas do meu coração
Passeei no tempo, caminhei nas horas
Mais do que passo a paixão

É o espelho sem razão
Quer amor, fique aqui

Meu peito agora dispara
Vivo em constante alegria
É o amor que está aqui

Amor I Love You (8x)

Tinha suspirado
Tinha beijado o papel devotamente.
Era a primeira vez que lhe escreviam aquelas sentimentalidades
E o seu orgulho dilatava-se ao calor amoroso que saía delas
Como um corpo ressequido que se estira num banho tépido.
Sentia um acréscimo de estima por si mesma,
E parecia-lhe que entrava enfim
Numa existência superiormente interessante
Onde cada hora tinha o seu encanto diferente
Cada passo conduzia a um êxtase
E a alma se cobria de um luxo radioso de sensações

Amor I Love You (12x)

Você sabe de qual clássico da literatura portuguesa saiu este trecho? Seus alunos vão se espantar quando você fizer esta pergunta! Pois sim, O Primo Basílio, que aliás, já tem filme hein.

Realidade distante? Quantos dos meninos já não procuraram "coisinhas românticas" para escrever nas cartinhas das anmoradas... ou as próprias apaixonadas declarando seu amor num caderno, ouvindo esta musica...

Professor(a), esta dica não dá para perder! Quer chamar a atenção dos seus alunos para a aula de literatura que, para eles, parece tão chata e sem graça? "Estudar coisa velha pra quê?" - eles até falam... mas com esse início de aula, música contemporânea, gostosa de ouvir... não há quem não sucumba e acabe lendo O Primo Basílio com ouuuutros olhos ;)

Fica aí a dica de hoje. Plano de aula de literatura para ensino médio utilizando música. Se você também precisar de umas dicas, para relembrar o enredo, a história, personagens e até biografia do autor: http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=resumos/docs/basilio

Até amanhã

terça-feira, 28 de abril de 2009

Fatores que fazem um estudante campeão

A nova geração de estudantes é bem peculiar. Ora estão vidrados em video games, ora se apaixonam por livros do momento. Alguns pais acham isso “um horror”, que os jogos atrapalham a vida escolar e este tipo de leitura só os fará perder tempo, ao invés de se interessarem por “literatura de verdade”.

Engano. Puro engano. Nada mais desmotivador do que as palavras acima. Claro, partimos para a máxima “Nem 8, nem 80” – ou seja, equilíbrio é a fórmula correta. E este deve partir primeiramente dos responsáveis. Os video games podem, sim, ser um atentado à saúde mental (e algumas vezes até física) do jovem, mas apenas se ele não for devidamente alertado sobre seus malefícios e, porque não dizer, benefícios.

*Acho que ficou bem pequena, mas você pode clicar para ver a imagem em tamanho maior.

Curiosidade: é interessante dizer que aumenta o número de idosos que passam parte de seu dia em frente aos games devido, justamente, à “ajuda” que eles dão às pessoas mais velhas, que já não têm seu físico tão forte e ágil para praticar esportes.

Quanto aos livros, continua valendo a supervisão dos responsáveis. Contanto que a obra esteja indicada para a faixa etária do jovem, a leitura é válida, pois incentiva a busca por outros materiais, como outros livros, jornais, revistas e até textos na Internet.

Voltando a nossa fórmula, é preciso lembrar aos alunos que, além desses estímulos, também é necessário que as atividades mais tradicionais não sejam deixadas de lado, como as tarefas de casa. Essas ajudam a reforçar a matéria vista na escola, auxiliando na fixação do conteúdo e abrindo espaço para questionamentos que no momento da explanação do professor não foram absorvidos.

Além disso, o tempo reservado em casa, num local adequado – iluminado, arejado, com móveis adequados ao tamanho do estudante, sem barulhos que possam distrair sua atenção –, é de extrema importância para desenvolvimento do hábito e prazer de estudar. A participação da família neste momento também ajuda, pois dá a sensação de segurança e apoio ao jovem, deixando-o menos ansioso com relação ao dever.

Assim, a obrigação (ênfase na palavra “dever” de casa) deixa de ser vista como imposição e passa a ser hábito.

Para conciliar jogos, leitura e tarefa de casa é necessária organização. A divisão de horário deve ser feita de maneira que não cause estresse ao jovem. Geralmente, os pais ainda os colocam em várias atividades extracurriculares com medo dos filhos ficarem com muito tempo ocioso e, devido ao grande turbilhão de oferta de diversão/distração (nem sempre saudáveis), acabarem se envolvendo em situações de risco, como o uso de drogas e violência. Dessa forma, faz-se imprescindível “estudar” até que ponto estas aulas valem a pena, quais tornam-se formas de aliviar a ansiedade do estudante, tanto em relação à vida pessoal como – e principalmente – escolar.

Atividades consomem muita energia, então é preciso lembrar da alimentação. Para os estudantes menores, entre 6 e 12 anos, “a alimentação da criança pode e deve adequar-se a alimentação dos adultos de sua casa” (Adriana Maria, www.saudenainternet.com.br).

Deve-se dar extrema importância ao fato da criança estar em pleno desenvolvimento e que para isso uma dose suficiente de proteínas, vitaminas e minerais, entre eles o ferro e o cálcio, será essencial para o seu crescimento e desenvolvimento perfeito. (Adriana Maria, www.saudenainternet.com.br).

Já para os adolescentes, as dicas vêm do site de alimentação e nutrição www.alimentacaosaudavel.org. Eles devem ingerir:
● Muitos amidos, como pão, massa, arroz, batata, cuscuz e cereais.
● Muitas frutas e legumes – pelo menos cinco doses por dia.
● Bastantes produtos lácteos, como leite, iogurtes e queijos.
● Quantidade suficiente de proteínas de carne, peixe e ovos.
● Poucos doces e gorduras.
● Pelo menos 8 copos de água por dia.
● Fazer exercício em bases regulares, de modo a manter uma boa forma física, a saúde cardiovascular e o desenvolvimento dos ossos.

Depois de um dia cheio, é hora do descanso merecido, que também vai ajudar a recarregar as baterias e começar com a energia renovada a próximo jornada. Entretanto, muitas pessoas, inclusive estudantes, sofrem com o anoitecer. A hora de dormir acaba virando mais uma tarefa.

O Laboratório do Sono do Hospital Português, na Bahia, traçou 10 pontos necessários para uma boa noite de sono:
1. Estabelecer horário regular para dormir e despertar.
2. Ir para a cama somente na hora dormir.
3. Manter ambiente saudável.
4. Não fazer uso de álcool próximo ao horário de dormir.
5. Não fazer uso de medicamentos para dormir sem orientação médica.
6. Não exagerar em café, chá e refrigerante.
7. Realizar atividade física em horários adequados e nunca próximo a hora de dormir.
8. Jantar moderadamente em horário regular e adequado.
9. Não levar problemas para a cama.
10. Realizar atividades repousantes e relaxantes após o jantar.
Fonte: www.hportugues.com.br

Caso esses passos sejam seguidos e ainda assim o sono demorar a chegar, o acompanhamento médico é fundamental.

Assim, acabamos de conhecer alguns aspectos que auxiliam o estudante a tornar-se um campeão – não só para passar no vestibular, mas também tenha prazer em estudar; saiba qual profissão deseja seguir. Diversão, alimentação, boa noite de sono, tarefa de casa e, principalmente, um bom relacionamento familiar são pontos fundamentais nesta jornada em busca ao sucesso.

Priscila Conte. Texto publicado no livro Educação 2009.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

7 Passos para o Gerenciamento de Sala de Aula

Este é conteúdo do poster do DVD Gerenciamento de Sala de Aula, o qual fiz a pesquisa e escrevi o roteiro. Utilize para não deixar passar em branco nenhuma etapa do gerenciamento, marcando os itens que você já trabalhou.

Até o final de semana pretendo postar trechos dos DVDs Motivação e do próprio Gerenciamento.

0 Liderança em sala de aula
Ter autoridade é muito diferente de ser autoritário. Ao escolher a primeira opção, você estará estimulando seus alunos através de uma comunicação aberta, flexível e afetuosa.

0 Criando regras
Para serem aceitas, as regras não devem ser impostas, mas pensadas e definidas em conjunto com a turma. Negocie com seus alunos e faça com que cada um perceba a importância da sua colaboração para a solução dos problemas da turma.

0 Entendendo as causas do conflito
Busque o máximo de informações que lhe permitam montar o perfil psicológico e social de cada estudante. Conhecendo a turma, ficará muito mais fácil liderar, criar regras e administrar os impasses que poderão surgir.

0 Solução de problemas
Compreender a situação, identificar seus agentes e adequar o discurso à realidade do aluno são alguns passos essenciais para a solução dos problemas que se manifestam ao longo do ano.

0 Barreiras para a aprendizagem
A inclusão de estudantes com hiperatividade, dislexia e traumas familiares deve ser parte da rotina escolar, pois tais fatores interferem significativamente no aprendizado.

0 Empatia entre professor e aluno
Adapte sua comunicação e comportamento de forma a aproximá-lo de sua turma. Aceitar e aprender a trabalhar utilizando a linguagem que seus alunos usam pode ajudá-lo a se integrar melhor e a transmitir o conteúdo de maneira mais clara para todos.

0 Técnicas de ensino
A quantidade de informação que os jovens precisam absorver em apenas 50 minutos é enorme, facilite a vida de seus alunos aplicando estratégias e ferramentas diferentes que auxiliarão na absorção do conhecimento.
( ) Comportamento e ambiente – Avalie se o ambiente não está afetando seus resultados, assim como o de seus alunos e colaboradores.
( ) Gestão do tempo – Organize sua rotina e dedique um tempo para estudos, planejamento de aulas e lazer.
( ) Dinâmicas de grupo – Coloque seus alunos para trabalharem juntos. Esta técnica estimula a socialização e ainda permite que o estudante assuma a responsabilidade de construir o conhecimento com seus colegas.
( ) Tecnologia – Não deixe o quadro-negro e o retroprojetor reinarem absolutos em suas exposições. Insira novas tecnologias como Orkut, Youtube e celulares para inovar.
( ) Memória – Estimule sua memória e a de seus pupilos utilizando técnicas de visualização criativa.
( ) Avaliação – As provas são apenas uma das técnicas que o educador pode usar para avaliar seus alunos. Que tal trocar o papel por algo mais dinâmico como um vídeo, teatro, a criação de um livro ou de até uma história em quadrinhos.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Modelo de Plano de Aula

Este tema é dúvida para vários professores, principalmente para os que estão ingressando agora nas salas de aula. Então, neste post coloco o plano de aula de ensino médio que eu tenho aqui, como vocês podem ver, é do estágio, mas basta seguir os mesmos critérios sem colocar o cabeçalho (nome do acadêmico e nome do supervisor). Ele é um rascunho de uma das minhas aulas, por isso a "baguncinha".

Se não der para visualizar bem, me mande um e-mail (priconte.az@gmail.com) que eu envio o anexo.



Neste exemplo, vocês já têm até um modelo de aula, que aborda o presente perfect. Para outras disciplinas, já sabem, basta utilizar:

PLANO DE AULA

OBJETIVO DA AULA:
CONTEÚDO A SER TRABALHADO:
PROBLEMATIZAÇÃO:
ESTRATÉGIA:

CONTEÚDO | METODOLOGIA/ESTRATÉGIA | RECURSOS | AVALIAÇÃO | TEMPO

Espero que tenha ajudado.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Aula para 5ª série - Artigo e Adjetivo

Atendendo a solicitação da colega Cíntia, faço hoje uma sugestão de aula para alunos da 5ª série sobre artigo e adjetivo.

Bom, quando eu dei aula para alunos desta série, eram todos muitos agitados, não prestavam atenção à aula. A única atividade que deu certo foi um jogo feito de tirinhas de papel. Em cada pedacinho havia o conteúdo da sala, e as crianças estavam divididas em 3 grandes grupos na sala.

Primeiro, é necessário fazer uma explicação sobre o conteúdo, pedindo frases dos alunos. Você as coloca no quadro e explica o que é artigo e o que é adjetivo. Depois, pede que montem grupos para testar se eles realmente compreenderam o assunto.

Adaptando o jogo, seria interessante fazer um dominó de papel. Como? Pegue papéis de tamanhos de peças de dominó. Divida ao meio. Em uma parte, coloque um artigo; na outra, um adjetivo. Atenção: é preciso estudar antes as possibilidades que os alunos terão para dar continuidade ao jogo. Neste caso, eles precisarão colocar um substantivo entre o artigo e adjetivo, o que não haverá no jogo, ou seja, eles deverão criar frases em seus cadernos com o artigo e o adjetivo encaixados.

Na sala, eles jogarão utilizando as mesmas regras do jogo de dominó, só que o objetivo é encaixar, por exemplo, um - espetacular. No caderno, eles deverão completar a frase: EU VI um FILME espetacular. Assim, eles também trabalharão sujeito e verbo, criando a estrutura frasal. Peça que eles não repitam as ideias.

Vai de você, professora, ser criativa com os adjetivos e atenciosa com a montagem possível. Faça o jogo e o "experimente" antes de levar à sala de aula para não haver erros que levam à bagunça.

Para o grupo que acabar primeiro e for mais criativo, você pode levar prêmios, como balinhas.

Importante lembrar que, se não houver tempo para mais uma explanação na mesma aula, é preciso que na próxima aula você relembre a atividade, os conceitos de artigo e adjetivo, e aplique exercícios para avaliar se a atividade foi bem aceita e o conteúdo assimilado. Aliás, sempre é bom fazer pelo menos duas atividades diferentes com o mesmo conteúdo para verificar a aprendizagem dos alunos.

Cíntia, depois nos passe como foi sua aula ok? Sucesso!

Até

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Aula de inglês - past tense - ensino médio

Precisa ensinar o passado dos verbos para seus alunos e está difícil? Adolescentes adoram músicas, então que tal utilizar uma para isso?

Uma dica é a Because you Loved me, da Celine Dion. Talvez eles achem um pouco antiquada, mas a maioria também pode não conhecer ainda a música. Você apresenta esta, explica os verbos e seu uso, e no final da aula solicita que eles tragam uma música atual, que eles gostem e utilize também os verbos neste tempo.

Passo-a-passo
  • Faça cópias para os alunos da letra da música e distribua.
  • Explique a atividade (achar os verbos e verificar o tempo em que se apresentam).
  • Peça que os alunos tentem cantar junto a música.
  • Confira os verbos selecionados, explique o tempo verbal e significado de cada um deles, simultaneamente com a tradução de todo o restante da música.
  • Repitam a música.
  • Solicite a música atual para a próxima aula - importante que os alunos levem para a classe um CD que contenha esta música.
Letra Because You Loved Me
Celine Dion
Composição: Diane Warren
*Em negrito as palavras, verbos e auxiliares, que serão os destaques desta aula.

For all those times you stood by me.
For all the truth that you made me see.
For all the joy you brought to my life.
For all the wrong that you made right.
For every dream you made come true.
For all the love I found in you I'll be forever thankful baby.
You're the one who held me up.
Never let me fall.
You're the one who saw me through, though it all.

You were my strength when I was weak.
You were my voice when I couldn't speak.
You were my eyes when couldn't see.
You saw the best there was in me.
Left me up when I couldn't reach.
You gave me faith 'coz you believed.
I'm everything I'm Because you loved me.

You gave me wings and made me fly.
You touched my hand I could touch the sky.
I lost my faith, you gave it back to me.
You said no star was out of reach.
You stood by me and I stood tall.
I had your love I had it all.
I'm grateful for each day you gave me.
Maybe I don't know that much, but I know this much is true.
I was blessed because I was loved by you.

You were my strength when I was weak.
You were my voice when I couldn't speak.
You were my eyes when couldn't see.
You saw the best there was in me.
Left me up when I couldn´t reach.
You gave me faith ´coz you believed.
I'm everything I am Because you loved me.

You were always there for me.
The tender wind that carried me.
A light in the dark shining your love into my life.
You've been my inspiration.
Through the lies you were the truth.
My world is a better place because of you.

You were my strength when I was weak.
You were my voice when I couldn't speak.
You were my eyes when couldn't see.
You saw the best there was in me.
Left me up when I couldn't reach.
You gave me faith ´coz you believed.
I'm everything I am Because you loved me.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Autismo

Também durante minhas pesquisas, um dos conteúdos que mexeu muito comigo foram os transtornos invasivos de desenvolvimento, que abrangem o autismo, transtorno de Asperger, transtorno de Rett, transtorno degenerativo da infância e transtorno do desenvolvimento sem outra especificação.

Aliás, encontrei também a indicação de dois filmes: Muito além do jardim, que trata sobre o transtorno de Asperger, e Meu filho, meu mundo, sobre o autismo.

Deixo a seguir a definição destes transtornos conforme o DSM IV, Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais, publicado pela Associação Psiquiátrica Americana.

"Os Transtornos Invasivos do Desenvolvimento caracterizam-se por prejuízo severo e invasivo em diversas áreas do desenvolvimento: habilidades de interação social recíproca, habilidades de comunicação, ou presença de comportamento, interesses e atividades estereotipados. Os prejuízos qualitativos que definem essas condições representam um desvio acentuado em relação ao nível de desenvolvimento ou idade mental do indivíduo. Esta seção abarca:

Transtorno Autista,
Transtorno de Rett,
Transtorno Desintegrativo da Infância,
Transtorno de Asperger e
Transtorno Invasivo do Desenvolvimento Sem Outra Especificação.

Esses transtornos em geral se manifestam nos primeiros anos de vida e freqüentemente estão associados com algum grau de Retardo Mental, que, se presente, deve ser codificado no Eixo II.

Os Transtornos Invasivos do Desenvolvimento são observados, por vezes, com um grupo de várias outras condições médicas gerais (por ex., anormalidades cromossômicas, infecções congênitas e anormalidades estruturais do sistema nervoso central).

Caso essas condições estejam presentes, elas devem ser registradas no Eixo III. Embora termos como 'psicose' e 'esquizofrenia da infância' já tenham sido usados com referência a indivíduos com essas condições, evidências consideráveis sugerem que os Transtornos Invasivos do Desenvolvimento são distintos da Esquizofrenia (entretanto, um indivíduo com Transtorno Invasivo do Desenvolvimento ocasionalmente pode, mais tarde, desenvolver Esquizofrenia)."

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Diferença entre DEFICIÊNCIA e DOENÇA mental

Aqui utiliza-se ainda a terminologia antiga, mental e não intelectual, mas o conceito em si é o mesmo.

"Devemos enfatizar que o portador de deficiência mental não tem alterada a percepção de si mesmo e da realidade e é, portanto, capaz de decidir o que é melhor para ele.

Quando a percepção encontra-se alterada, a condição é denominada doença mental, tratando-se de um quadro totalmente diferente da deficiência mental, mesmo apesar do fato de que 20 a 30% dos deficientes mentais apresentem associação com algum tipo de doença mental, como a síndrome do pânico, depressão, esquizofrenia, entre outras.

Doenças mentais, que podem e devem ser tratadas, afetam o desempenho dos indivíduos, pois prejudicam, primariamente, outras áreas do funcionamento, que não a inteligência, como por exemplo, a capacidade de concentração e o humor."

A fonte é o site da Rede Saci, que ajuda pessoas com algum tipo de deficiência e suas famílias a se integrarem na sociedade, http://www.saci.org.br/?modulo=akemi&parametro=1675

É um site muito interessante, no qual você poderá encontrar mais informações sobre, não só a deficiência intelectual, como outras.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Deficiência mental ou intelectual?

Estou escrevendo um roteiro para o novo DVD aqui da editora, e com isso faço muitas pesquisas.

Uma das coisas interessantes que descobri - ok, pode não ser novidade para muitos, mas eu confesso que não estava a par - é que não se usa mais deficiência mental e, sim, deficiência intelectual. Por quê?

"Ao longo da história, muitos conceitos existiram e a pessoa com esta deficiência já foi chamada, nos círculos acadêmicos, por vários nomes: oligofrênica; cretina; tonta; imbecil; idiota; débil profunda; criança subnormal; criança mentalmente anormal; mongolóide; criança atrasada; criança eterna; criança excepcional; retardada mental em nível dependente/custodial, treinável/adestrável ou educável; deficiente mental em nível leve, moderado, severo ou profundo (nível estabelecido pela Organização Mundial da Saúde, 1968); criança com déficit intelectual; criança com necessidades especiais; criança especial etc. Mas, atualmente, quanto ao nome da condição, há uma tendência mundial (brasileira também) de se usar o termo deficiência intelectual, com o qual concordo por duas razões. A primeira razão tem a ver com o fenômeno propriamente dito. Ou seja, é mais apropriado o termo intelectual por referir-se ao funcionamento do intelecto especificamente e não ao funcionamento da mente como um todo.

A segunda razão consiste em podermos melhor distinguir entre deficiência mental e doença mental, dois termos que têm gerado confusão há vários séculos. "

Fonte: Atualizações semânticas na inclusão de pessoas: Deficiência mental ou intelectual? Doença ou transtorno mental? Romeu Kazumi Sassaki - Artigo publicado na Revista Nacional de Reabilitação.

No próximo post, a diferença entre doença mental e deficiência mental.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Poesia para viver

Não, não vou fazer deste blog só poemas, poesias, textos motivacionais... mas esta semana prefiro assim, mais leve... No trabalho estou desenvolvendo um roteiro que tem um conteúdo bem pesado, que está sugando quase toda a minha capacidade intelectual! haha Mas está ficando muito bom! Então, para dar uma relaxada...

Para você,
Desejo o sonho realizado.
O amor esperado.
A esperança renovada.

Para você,
Desejo todas as cores desta vida.
Todas as alegrias que puder sorrir
Todas as músicas que puder emocionar

Para você neste novo ano,
Desejo que os amigos sejam mais cúmplices,
Que sua família esteja mais unida,
Que sua vida seja mais bem vivida.

Gostaria de lhe desejar tantas coisas.
Mas nada seria suficiente...
Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos.
Desejos grandes e que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade!

Carlos Drummond de Andrade

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Síndrome de Burnout

Gente! Desculpe a demora, mas estava impossibilitada de postar hehe Agora vai! Também postei um texto que entrou no mês de fevereiro no arquivo, sobre a origem de algumas palavras...

O nome esquisito é uma doença que vem acometendo cada dia mais pessoas. Como o estresse e a depressão, essa enfermidade é considerada um mal dos tempos modernos. O mercado de trabalho é exigente demais. Somado a isso existe, para aqueles que trabalham com o público, a necessidade de estar sempre bem para resolver os problemas dos outros. Médicos, terapeutas, socorristas, enfermeiros e professores estão na linha de frente dos afetados pela síndrome, que chega sorrateiramente e pode levar à morte. Para notar a existência da doença, é preciso prestar atenção aos sintomas:

Físicos:

- Fadiga crônica.
- Insônia.
- Dores de cabeça.
- Dores musculares.
- Transtornos gastrintestinais.
- Falta de energia.
- Dificuldades de concentração

Mentais:

- Frieza afetiva.
- Irritabilidade.
- Auto-avaliação negativa.
- Pessimismo.
- Indecisão.
- Alterações de tensão.
- Sentimento de frustração.

Comportamentais:

- Desinteresse pelo aprendizado dos alunos.
- Desejo de abandonar o emprego.
- Aumento de ausências.
- Abuso de remédios, álcool ou drogas.
- Violência.
- Comportamentos autodestrutivos.
- Tentativas de suicídio.

Este meu texto faz parte do booklet Administração Escolar, um dos livros da coleção Biblioteca do Professor, publicado pela Humana Editorial. Não me lembro bem, mas acho que este também é uma adaptação de uma matéria publicada na revista Profissão Mestre.

Até

quarta-feira, 1 de abril de 2009

O poder do pensamento positivo

O pensamento tem poder infinito.
Ele mexe com o destino, acompanha a sua vontade.
Ao esperar o melhor, você cria uma expectativa positiva que detona o processo de vitória.
Ser otimista é ser perseverante, é ter uma fé inabalável e uma certeza sem limites de que tudo vai dar certo.
Ao nascer o sentimento de entusiasmo, o universo aplaude tal iniciativa e conspira a seu favor, colocando-o a serviço da humanidade.
Você é quem escreve a história de sua vida - ao optar pelas atitudes construtivas - você cresce como ser humano e filho dileto de DEUS.
Positivo atrai positivo.
Alegria chama alegria.
Ao exalar esse estado otimista, nossa consciência desperta energias vitais que vão trabalhar na direção de suas metas.
Seja incansavelmente otimista. Faz bem para o corpo, para a mente e para a alma.
É humano e natural viver aflições, só não é inteligente conviver com elas por muito tempo.
Seja mais paciente consigo mesmo, saiba entender suas limitações.
Sem esforço não existe vitória.
Ao escolher com sabedoria viver sua vida com otimismo, seu coração sorri, seus olhos brilham e a humanidade agradece por você existir.

Pablo Neruda