terça-feira, 11 de novembro de 2008

Balanço

Neste mês de outubro, pude sentir que o próprio professor ainda sabe e reconhece sua importância. Mesmo com tantos comentários ruins que ouvimos sobre esta profissão, ainda há esperança, pois ainda existem pessoas comprometidas com seu trabalho.

Talvez, para mim, esta seja a área que o profissional mais precise de motivação para ir ao seu ambiente de trabalho todos os dias. Claro, como tantos outros empregos, tem a correria do dia-a-dia, horários a cumprir, pessoas a quem dar um retorno quando os problemas aparecem e, principalmente, resolvê-los. O trabalho, muitas vezes (para não dizer quase todos os dias), acompanha o professor até em casa.

Há o horário já programado na grade durante o período na escola para desenvolver atividades, mas a quantidade de turmas e alunos é muito superior aos poucos minutos reservados. Então, é preciso utilizar mais um tempinho em casa para isto. Não que outros profissionais não levem trabalho para casa, de forma alguma. Quantas vezes é necessário acabar um relatório que ficou pendente e é para o dia seguinte, escrever aquele texto que não saiu durante as 8 horas que você tinha para fazê-lo, fechar as contas do final do mês para poder pagar os salários dos funcionários da empresa no dia certo...

Porém, o relacionamento interpessoal que ele possui é bem maior. Diferente dos que trabalham com comércio, por exemplo, que lidam com várias pessoas por dia, o professor também faz isso, mas não acaba aí; elas não vão embora e, de repente, algum dia, podem voltar. Não. São pessoas com as quais ele vai ter contato durante um ano inteiro, às vezes por mais de uma hora por dia. Daí nasce uma intimidade maior, um conhecimento sobre a personalidade de cada um – apesar de serem muitos a lembrar, quantos são os educadores que conhecem cada um de seus alunos, suas qualidades e defeitos? Sabem que aquele aluno, daquela sala, está num dia daqueles, louco para aprontar? Ou que o da fileira perto da janela pode não estar se sentindo bem naquele dia?

É necessário um preparo emocional muito grande para ser professor. Tantas pessoas; tantos futuros dos quais ele fará parte e, de certa forma, será o responsável. E era sobre isso que tinha medo, que os próprios professores não soubessem desta importância. Me enganei, ainda bem.

Quero agradecer a todos que mandaram seus depoimentos, aos que foram publicados e aos que, infelizmente, não consegui. Cada dia mais, neste mundo cruel, com tantas barbaridades acontecendo, é essencial saber que o amor é citado várias vezes pelos educadores, tanto em relação ao que é ser professor quanto ao que é necessário transmitir aos alunos.

Não desistam! Vocês são fundamentais!

O meu muito obrigada.

Texto enviado pela e-zine Jornal Virtual Profissão Mestre

Nenhum comentário:

Postar um comentário